segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

SEDE DO SACOPÃ - REMO

REMO:
GUARNIÇÃO CAMPEÃ CARIOCA
CONSTRUÇÃO DA NOVA SEDE NO SAGOPAN

Mais uma brilhante vitória conseguiu a nossa seção de Remo, no domingo, 1.° de agosto. Com uma guarnição composta de atletas oriundos da Escolinha, conquistamos o Campeonato Carioca de Junior, na prova de QUATRO COM PATRÃO.

Sobre a conquista, ouvimos o treinador campeão, Arnaldo Brant Correa, que assim se expressou:

_ Quero aqui ressaltar o esforço desses valorosos remadores, que se dedicaram a fundo, inclusive treinando a noite, quando assim era necessário. Considero a persistência e a união como os fatores fundamentais para chegarmos ao nosso objetivo.

Arnaldo diz que, na primeira regata, o resultado não foi muito bom, tendo em vista o retorno das férias.

- Na segunda, foi formado um Quatro sem timoneiro, que, apesar de ser bastante pesado, já apresentou bons resultados. Nesta regata, o barco do Vasco da Gama abalroou por três vezes a nossa guarnição, mas o juiz, apesar de haver desclassificado o infrator, não paralisou a prova. Mas, na terceira regata, ficamos em 2o lugar, com pouca diferença do Flamengo.

0 treinador conta que, na quarta regata, em que é dado o titulo ao Clube e ao atleta por tipo de barco, surgiu a idéia de colocar a equipe no barco QUATRO COM TIMONEIRO.

_ Para nós foi mais vantajoso, porque o barco era bastante leve, um barco de fabricação estrangeira (italiano) e devido a isto conseguimos chegar ao tempo esperado, de 5 minutos e 19 segundos.

Eis a equipe campeã.:
Timoneiro: Ricardo de Toledo. Remadores: Cláudio Cavalcante de Carvalho, Vinicius D'Antonio, Carlos José de Campos Matos e Carlos Eduardo Câmara L.Pinto.

Desta equipe, segundo Arnaldo, apenas Cláudio Cavalcante de Carvalho não poderá disputar por esta categoria em 1977, devido ao fato de haver completado o limite de idade, passando a disputar na categoria de Aspirantes.

A PALAVRA DOS CAMPEÕES

Fomos, então, ouvir a opinião dos jovens campeões.

Primeiramente, o timoneiro Ricardo de Toledo, o "General", que tem apenas 13 (treze) anos de idade, mas já tem personalidade e estuda na 7a série do Instituto Souza Leão.

- A turma, disse ele, é legal; eles não falam muito durante a prova, pois eu sempre digo que, no barco, só quem comanda é o timoneiro. E sou sempre respeitado.

Para concluir:

- O que eu quero mesmo é ser remador.

Já. o Vinicius Duantonio, que e o voga da guarnição (aquele que da o ritmo), carioca, 16 anos e aluno da Escola Técnica Federal e Carlos Eduardo Câmara L. Pinto, falaram:

- Tínhamos fé na vitória, mas a certeza só veio depois dos 1.000 metros. Cláudio Cavalcante de Carvalho, o sota-voga da guarnição (o que dá imediato apoio ao voga), carioca, de 17 anos, cursando o 2o ano cientifico e Carlos José de Campos Matos, também de 17 anos e aluno da Escola Técnica Federal, opinaram igualmente:

-Achamos Arnaldo um excelente técnico, que muito apoio nos tem dado. Para nós, treinar de manha não e problema, tendo a grande vantagem da maior pureza do ar. Agradecemos o total apoio que nos foi dado pela Diretoria do BOTAFOGO e
aconselhamos a todos aqueles que queiram ser campeões como nos, a ingressar na Escolinha de Remo do BOTAFOGO.

O mérito da vitória também deve ser outorgado a estes colaboradores:

- Baltazar (mestre armador); Antonio (preparador físico); Gauchinho (assistente técnico); Irineu, Gil, Toninho e Nivaldo.

A todos, as congratulações do BOTAFOGO, cuja Diretoria promete, para breve, o inicio das obras de sua sede no Sacopã, com belíssimas instalações para seus remadores e alunos. 

CONSTRUÇÃO DA NOVA SEDE

A construção da nova sede será o reerguimento do nosso Remo, sem a.qual não podemos competir em igualdade de condições com os nossos valorosos co-irmãos, que desde há muito tempo possuem suas sedes náuticas em perfeitas condições de funcionamento.

A segunda etapa será a reformulação da nossa flotilha de barcos, atualmente, em estado muito deficiente. Esperamos que, com a construção da nova carpintaria e com a ajuda que pleitearemos dos órgãos Governamentais (CND e OBD), possamos solucionar todos os problemas no setor de remo. 

É bom que se repita que o belo projeto de construção da sede do Sacopan é de autoria do Engenheiro e abnegado botafoguense Dr. Nelson Ramos, inteiramente de graça, e que prevê: nova. garagem, dormitório, vestiário, refeitório, banheiros, carpintaria, etc.

Parabéns, também, ao Vice-Presidente de Remo, Henrique José Pereira de Lucena., que muito tem trabalhado nesse setor do clube, enfrentando todas as dificuldades ora existentes.

E, ainda, agora, na quinta regata do Campeonato Carioca de Remo, o BOTAFOGO ganhou a prova SINGLE-SKIFF aspirantes A, com o magnífico atleta Paulo Cesar Dworakowshi, 2.000 metros, em sete minutos e vinte segundos. O barco "Regulus”, que estreava nessa regata, foi recentemente batizado pela Sra. Eugenia Borer, sua madrinha.

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-







REMO

NOVO TANQUE DE TREINAMENTO



Neste início de temporada, nossas guarnições vêm obtendo excelentes resultados, graças ao eficiente e dedicado trabalho realizado no Sacopã e que conta com a incansável direção do Vice-Presidente de Remo, Henrique Lucena e o Diretor, Antonio Carlos A. Azevedo. O treinador botafoguense é Arnaldo Brand Correa, responsável pelas nossas equipes há alguns anos.
Foi motivo de bastante alegria na , Sede do Sacopã, a recente inauguração de um novo e moderno tanque de treinamento dos remadores alvinegros, o que vem proporcionando um maior desenvolvimento das qualidades do nossa equipe. Novos melhoramentos serão proporcionados na sede da Lagoa Rodrigo de Freitas, de acordo com  os recursos proporcionados pelo CND.
Já foram realizadas até o presente momento, três regatas das dez programadas pela Federação de Remo do Estado do Rio de Janeiro (FRERJ), para a temporada náutica de 1978. Na 1a  Regata, realizada na manhã do domingo, dia 19 de março, o BOTAFOG0 participou de três provas, vencendo a 8a - Extra-2  sem timoneiro - Aspirante A - Prova de Velocidade - 500 metros - com o tempo de 1'35 e os seguintes remadores participantes:
Ricardo Pilz Vieira e Bráulio de Nazaré. Obtivemos ainda, dois segundos lugares, na 4.a prova - Single Scull- Junior B - 1.500 metros e na 7a  prova - 4 sem timoneiro - Junior B - 1500 m, ficando bem próximo dos respectivos primeiros colocados. Na 4a prova remou José Grynfogiel que obteve o tempo de 6’12. Na 7a  disputa, remaram pelo ALVINEGRO, Rodolfo Ernesto Prellwitz Junior. Ricardo Ramos de A. Carvalho, Roberto de Moraes Mendes e Luiz Carlos Guedes Valente
- tempo de 5’45. Colocamo-nos em 3o lugar na 1a  Regata.
Na 2a  Regata do Campeonato de Remo, realizada em 9 de abril, melhoramos nossa participação, obtendo três primeiros  lugares, dois segundos e um terceiro. Na primeira prova do dia - 4 com timoneiro - Aspirantes A - 2.000 m - vencemos brilhantemente com esta equipe: 
Timoneiro: Nilton Silva Alones Remadores: Ricardo Pilz Vieira, Samir dos Santos Xavier e Bráulio de Nazaré. Na segunda prova, novo triunfo da ESTRELA, SOLITÁRIA (Prova Extra-Double Scull - Infantis -  500 m) com os remadores: Sergio Fernando de Souza e Carlos Eduardo Borges da Fonseca. Na quarta prova dia disputa, Single Scull - Juniors A - 1.000 metros - repetiu-se a vitória, botafoguense, com o remador Mario Jorge Martins da Cruz Santos. Na oitava prova do Programa (Prova Extra - Single Scull -  SEM VITÓRIA - 2000 metros) alcançamos a segunda colocação com a participação do remador Cid Renan da Silveira Lobão. Na prova seguinte, novo segundo lugar dos botafoguenses, na Double Scull  - Juniors B - 1.500 metros, com o remadores Ricardo Ramos Aragão de Carvalho e José Grynfogiel. No encerramento do programa (Outrigger a oito remos - Juniors B – 1.500m), nossa guarnição: Timoneiro; Willy Pedro Vasconcellos Prellvritz; Remadores Ernesto Prellwitz Junior, Jacques Waldmann, Camilo Simon Espth Pedroso, Oscar José Azeredo Evangelista, Amir Szklo , Roberto Kuster Filho , Roberto de Moraes Mendes e Luiz Carlos Guedes Valente. Obtivemos a 3a colocação na Contagem  Geral desta Regata. Esclareça-se que conquista de  Provas Extras, não contam ponto para a Regata em disputa e nem para os diversos campeonatos e troféus.
Na cinzenta manhã do domingo dia 7 de maio – realizou-se na Lagoa Rodrigo de Freitas, a 3a Regata  do Campeonato de 1978. Novamente nossa equipe apresentou-se muito bem. A equipe que tem o comando do treinador Arnaldo Brant Correa, alcançou a vitória em quatro provas do Programa, três segundos lugares e um 5° lugar. É de se ressaltar, o belo desempenho botafoguense em todas as provas nas quais foram inscritas guarnições do alvinegro clube. 
Nosso primeiro triunfo, deu-se na segunda prova (Extra-2 com Timoneiro Nilton Silva  Alonso: Remadores: Ernesto Becker e Celmo Montovani.
Na  quarta prova do Programa -  Prova  Clássica Imprensa Carioca, fizemos  “ponta e dupla", com o belíssimo triunfo de Paulo César Dworakowskí no barco "B" e Sérgio Brasil Sztancsa (2o  lugar) no barco “A”.  Paulo César obteve o tempo de 8’36 e Sérgio Sztancsa, perfez a distância em 8’42.  Na prova seguinte (Extra - Single Scull - Infantis - 500 metros), a primeira colocação ficou com o botafoguense Sérgio Fernandes de Souza. Em quinto lugar, outro remador alvinegro Carlos Eduardo Borges da Fonseca, no barco “B”. Na sétima prova do dia - o 4 sem Timoneiro – Júnior  “B” -  1500 metros  chegamos em 2o  lugar, com os seguintes remadores: Rodolfo Ernesto Prellwitz  Junior, Ricardo Ramos Aragão de Carvalho, Roberto de Moraes Mendes e Luiz Carlos Guedes Valente. O tempo obtido foi de 5'29.  Na 3a prova novo sucesso do "VOVÔ DOS ESPORTES NAUTICOS" - Prova Extra-2 sem Timoneiro-Seniors até 15 pontos - Prova de Velocidade – 500 metros; tempo de 1'45 e os remadores Virgílio Augusto de Andrade e Vicente Paulo Resende. Na décima e ultima prova. (Outrigger a oito - Aspirantes B - 2.000 m) colocou-se o BOTAFOGO em 2o  lugar com o tempo de 7’6. O Timoneiro foi Milton Silva Alonso e os remadores foram: Paulo Cesar Dworakowskí, Gustavo L. de Lima Câmara, Ricardo Pilz Vieira, Fernando Santos Xavier, Samir dos Santos Andrade, Jose Grynfogiel, José Eduardo Dias Almeida e Bráulio de Nazaré.
Todos os vencedores da 3a  Regata, estão classificados para a disputa da 4a  Regata  em Campos (RJ), no dia 4 de Junho vindouro. A próxima Regata (5a) a ser realizada no Rio de Janeiro, será. no próximo dia 2 de julho.
Contamos com o incentivo de todos os adepto-s da causa botafoguense, para que cada vez mais sejam alcançados os resultados a que faz jus um clube tradicional como é o BOTAFOGO FR.
Fonte: Boletim Informativo do Botafogo no 233 de março junho de 1978
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-





Sede Mourisco Pasteur

Nenhuma descrição de foto disponível.


1971, Antiga sede do Mourisco-Pasteur que foi demolida em troca da volta a General Severiano na década de 90 (Atualmente é onde ficam prédios espelhados ao lado do viaduto de Botafogo)

Esse prédio era um grande monumento arquitetônico: Construído no local da antiga sede náutica e garagens de barcos, inviabilizadas pelos aterros e construção das pistas da Park Way e de autoria de Oscar Niemeyer o prédio fazia parte de um projeto mais audacioso que previa inclusive a substituição da sede de Gal. Severiano por construções modernistas.
O prédio com um grande vão livre apoioado por colunas “paralelas” ao formato do “invólucro” exteno e totalmente fechado com grandes paines de vidros ray-ban e com claraboias circulares logo ganhou um dos típicos apelidos cariocas …”Mata Borrão”.
Mas nem a grife Niemeyer poupou o prédio da destruição, o Botafogo após fazer uma negociata imobiliária nos anos 70 com a Vale do Rio Doce, vendeu sua sede para a então estatal levantar sua grande sede, o que foi obstacularizado pela pressão popular culminando com a mudança de gabarito do local, ficando a Vale com um grande mico preto na mão e o Botafogo sem suas raízes. Já nos anos 90 o clube para reaver sua histórica sede, com o prédio principal ainda de pé, mas em ruínas e só um lance de arquibancadas do estádio inteiro, fez inúmeras manobras políticas, conseguindo reaver o terreno de sua velha sede, que tinha sido doado pelo poder público nos anos 30, ganhando um sítio histórico e perdendo outro a da velha garagens de barcos.
No local do modernismo, surgiu o barroco cafona do “pos-moderno” num prédio que simplesmente briga com todo o seu entorno, retirando o horizonte da Rua Voluntários da Pátria, brigando com o Morro do Pasmado, e sufocando o emboque da Rua da Passagem, um espanto de vidros espelhados, granitos arroseados corado por uma pelota dourada…
As fotos mostram também alguns detalhes do urbanismo da região, como os postes de modelo americano oriundos da Park Way e postes padrão light de braço reto, colocados ali nos anos 60 para reforçar a iluminação.
A passarela metálica que existe no local só seria colocada poucos anos a frente no primeiro Governo Chagas Freitas depois de uma sucessão de atropelamentos no local.
No fundo outra obra de mais um grande nome do modernismo o completo programa, uma máquina de morar que comtempla prédios de vários tamanhos e tipologias e atgé mesmo casas, o Casa Alta de Sérgio Bernardes.

Fotos de Gyorgy Szendrodi


NOSSA ANTIGA SEDE SÓCIO-ESPORTIVA DO MOURISCO-PASTEUR, NA PRIMEIRA METADE DOS ANOS 60.

Observe-se que estão no mastro, a bandeira brasileira e as bandeiras do Club de Regatas Botafogo, do Botafogo Football Club e do Botafogo de Futebol e Regatas.

BOTAFOGO: O MAIS ANTIGO CLUBE MULTIESPORTIVO DO BRASIL!
CAMPEÃO DE TRÊS SÉCULOS!

Resultado de imagem para fotos sede mourisco pasteur botafogo

Resultado de imagem para fotos sede mourisco pasteur botafogo


Resultado de imagem para fotos sede mourisco pasteur botafogo

A sede do Mourisco Pasteur abrigava uma quadra esportiva basquete/voleibol, uma piscina semi-olímpica ( 25 m x 12,5m), sauna, uma piscina infantil, um bar/restaurante, salas de administração.
Durante muitos anos foi palco de diversos eventos como bailes de carnaval, ensaios de escola de samba, bailes de discoteca (hoje seriam funk), eventos esportivos dos mais diversos além de jogos de basquete, volei e pólo aquático, tambem abrigou diversas competições de judô, karatê.
Durante o perído em que a sede de General Severiano esteve envolvida na venda para a Cia. Vale do Rio Doce, foi a sede admistrativa do clube.

BAILES DE CARNAVAL

Ali foram realizados diversos bailes de carnaval com uma presença maciça de foliões.


Baile de 1969

Nos dois últimos anos os bailes de Carnaval no BOTAFOGO, para adultos e crianças, estabeleceram verdadeiros recordes de freqüência, por parte de associados e convidados. Cumpre ainda salientar que a decoração do Mourisco para. os festejos do Momo foi premiada com o primeiro lugar no concurso promovido pelo Serviço de Turismo do Estado da. Guanabara. Esses bailes, pelos sucessos ültimamente alcançados, até horários prorrogadas, já estão se tornando tradicionais e preferidos pelos nossos foliões, nessa altura do ano já em preparativos para o próximo Carnaval. As fotos são aspectos dêsses bailes. 

ECOS DO CARNAVAL

Há muito não se assistia um Carnaval tão animado no Botafogo. O Ginásio do Mourisco-Pasteur, todo decorado de preto e branco, esteve lotado nos quatro bailes noturnos. Da mesma forma aonteceu nos tres bailes infantis ali realizados.

O carnaval alvi-negro foi uma mistura de loucura, alegria, sem chegar a ser violento. As fantasias tiveram um colorido espetacular, sendo algumas, de excelente bom gosto. Este ano valeu a pena, merecendo, por isso, os melhores elogios de quem ali brincou.






Baile Black & White sede Mourisco Pasteur ano 1981



Sede Mourisco Pasteur no alto da foto


Depoimento Pessoal:
Após a permuta de General Severiano pela sede do Mourisco Pasteur presenciei com mais tristeza ainda a demolição da sede do Mourisco onde passei parte da minha infancia e toda a minha juventude. Quase diariamente ia a sede do Mourisco para ver a demolição  e a cada pedaço destruído era um pedaço meu que tambem ia embora. Começaram pela sala de troféus que ficava no alto da arquibancada da piscina. Depois aterraram a piscina e os vestiários. Em seguida aterraram a sauna e depois  foram as salas que ficavam próximas a piscina infantil. Ato contínuo as salas que ficavam na entrada da sede. Durante um bom tempo ficou a quadra sem as grades, sem as tabelas de basquete e apenas uma sala na entrada onde ficava a gerência da sede. Durante esse tempo ainda havia encontros com outros sócios que tambem compartilhavam do mesmo sentimento de perda. Ficávamos a relembrar dos jogos de voley, basquete, pólo aquático, dos bailes de carnaval e dos eventos sociais que ali foram realizados como matinês infantis, 6a feira do pagode, sábados com grupos musicais e etc... Nos reuníamos na parte coberta ao lado do bar que tambem continuou funcionando por algum tempo até que finalmente a sede do Mourisco fosse definitivamente fechada. Até hoje ao passar por aquele local onde hoje funciona o Centro Empresarial Mourisco sinto um aperto no coração e uma enorme saudade.
Angelo Antonio Seraphini 


Centro Empresarial - atualmente no local onde existia a sede do Botafogo do Mourisco Pasteur



sábado, 22 de fevereiro de 2020

ATLETISMO FEMININO

Em competição realizada nos dias 30 e 31 de agosto de 1969 na pista do Estádio Nacional de Santiago do Chile, a equipe  feminina do Botafogo sagrou-se campeã sul-americana interclubes de atletismo, totalizando 67 pontos. O Alvinegro carioca fez jus ao troféu 'Premio Dereccion de Desportes del Estado'. Em 2o lugar classificou-se a Agrupación Atlética Aconcagua (Argentina), com 53 pontos; em 3o lugar, o Albion (Uruguai), com 48 pontos; em 4o lugar, o Balneários Touring Club (Peru), com 44 pontos e em 5o lugar, o Stade Français (Chile), com 35 pontos. Pela equipe do Botafogo as campeoníssimas Silvina das Graças e Aída dos Santos.

Aída dos Santos Menezes é a atleta botafoguense mais falada porque até hoje teve a melhor classificação de sempre do atletismo feminino. Aida foi campeã carioca, brasileira, sul-americana, ibero-americana e luso-brasileira, destacando-se, ainda, com a obtenção de duas medalhas de bronze em pentatlo no campeonato panamericano em 1967 (Winnipeg) e em 1971 (Cáli), e nos jogos olímpicos de Tóquio em 1964 (4º lugar no salto em altura com 1,74m e melhor classificação olímpica do atletismo feminino em todos os tempos).
. Aida continuou a defender a Estrela Solitária em torneios masters. Professora titular da cadeira de Educação Física na Universidade Federação Fluminense desde 1975, sócia emérita e membro do Conselho Deliberativo como benemérita, Aída foi homenageada em 1995 na inauguração da pista de atletismo da UFF com o seu nome, e em 2006 com o Troféu Adhemar Ferreira da Silva, entregue anualmente a uma personalidade com importante vida atlética.



Resultado de imagem para fotos aida dos santos








Resultado de imagem para fotos aida dos santos

Aída dos Santos



Aída dos Santos

Títulos do ano de 1962

- Tetra campeão Juvenil
- Campeão de Novíssimos



                        Neli Barcelos dos Santos


Resultado de imagem para fotos silvina das graças



Resultado de imagem para fotos silvina das graças
SILVINA DOS SANTOS

Silvina das Graças Pereira, a consagrada atleta do Glorioso, venceu a prova do salto em distância com a marca de 5m41. Neide dos Santos triunfou na prova de arremesso de peso, atingindo 12m56. E Aída dos Santos colocou-se em 2o lugar no arremesso de dardo, com 37m98 e em 4o lugar no 80 metros com barreiras com 12'2.

Fontes: Correio da Manhã, 29/08 e 02/09/1969; Diário da Noite (São Paulo), 27/08 e 01/09/1969; Revista "Grandes Clubes Brasileiros" - Botafogo(1972); Tablóide 'O Glorioso', agosto/1975 e Catálogo da 1a Mostra dos Troféus do Botafogo F.R, 19/06/1977

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.


Competições e medalhas internacionais

- Gold medal blank.svg 1 Medalha de Ouro no Arremesso de Disco (Recorde Sul-Americano e Brasileiro 37m 40), por Ivette Mariz - Montevidéu (Uruguai): 1945
- Gold medal blank.svg 1 Medalha de Ouro nos 100m Rasos (Recorde Sul-Americano com 11,80) por Silvina das Graças Pereira - Campeonato Sul-Americano - Buenos Aires (Argentina): 1967
-Gold medal blank.svg 1 Medalha de Ouro nos 200m Rasos (Recorde Sul-Americano com 23,40), por Silvina das Graças Pereira - Campeonato Sul-Americano - Rio de Janeiro: 1975
- Gold medal blank.svg 1 Medalha de Ouro nos 200m Rasos (Recorde Sul-Americano com 23,30), por Silvina das Graças Pereira - I Copa Latina - Rio de Janeiro: 1975

1 Campeonato Sul-Americano de Clubes Feminino: 1969

- Bronze medal blank.svg 2 Medalha de Bronze em Pentatlo nos Campeonatos Panamericanos por Aída dos Santos Menezes: 1967, 1971
- 1 Recorde Sul-Americano no Salto em Altura, por Maria da Conceição Cipriano, com 1,71m - São Caetano do Sul (SP): 1964
- 1 Recorde Sul-Americano no Salto em Altura, por Aída dos Santos Menezes, com 1,74m - Tóquio (Jogos Olímpicos): 1964
- 1 Recorde Sul-Americano no Pentatlo Feminino (4.578 pontos) por Aída dos Santos Menezes - Jogos Olímpicos - Cidade do México: 1968
Aída dos Santos Menezes: Campeã Luso-Brasileira, Campeã Íbero-Americana, Campeã Sul-Americana
- 1 Recorde Sul-Americano nos 100m Rasos (11"50) por Silvina das Graças Pereira : 1974
- 1 Recorde Sul-Americano no Salto em Distância (6,50) por Silvina das Graças Pereira : 1974
- 1 Recorde Sul-Americano nos 200m Rasos (23"50) por Silvina das Graças Pereira : 1974
- 1 Recorde Sul-Americano nos 200m Rasos (23"17) por Silvina das Graças Pereira - Jogos Pan-Americanos Cidade do México : 1975
- 1 Recorde Mundial nos 100m rasos da classe T11 Paraolímpica, em 12”04, por Terezinha Guilhermina: 2011


Flag of Brazil.svg Competições nacionais

- 5 Títulos no Troféu Brasil: 1945-1951 (3 Títulos), 1962-1965 (1 Título), 1966-1970 (1 Título)
Aida dos Santos Menezes: Campeã Brasileira


Rio de Janeiro Competições estaduais

- 4 Campeonatos da Cidade do Rio de Janeiro Feminino: 1964/1965/1966, 1968
- 8 Campeonato Carioca Feminino de Pentatlo:1964/1965/1966/1967/1968/1969/1970/1971

- 8 Campeonato Carioca Feminino de Seniors:1964/1965/1966/1967/1968/1969/
1970/1971
- 2 Campeonato Carioca Feminino de Juniors: 1966/1968
- 1 Campeonato Carioca Feminino de Novas: 1970
- 4 Campeonato Carioca Feminino de Novíssimas: 1959/1960, 1962, 1968
- 2 Campeonato Carioca Feminino de Principiantes: 1959, 1961
- 4 Campeonato Carioca Feminino de Estreantes: 1946, 1948/1949, 1969
- 11 Campeonato Carioca Feminino de Juvenis: 1939, 1941/1942, 1948, 1959/1960/1961/1962/ 1963/1964, 1966
- 1 Campeonato Carioca Feminino de Infantis A: 1939
- 2 Campeonato Carioca Feminino de Infantis B: 1939. 1994
- 4 Troféu Mário Márcio Cunha Geral: 1948/1949/1950/1951
- 2 Troféu FARJ Geral: 1965, 1971
- 5 Troféu Eficiência Geral: 1948/1949, 1964/1965/1966

- 3 Troféu Rubens Esposel Pinto Geral: 1963/1964/1965


Fonte: Wikipédia
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.


O BOTAFOGO foi o campeão de 94 na categoria infantil A feminino de atletismo e quer repetir a dose em 95. A novidade para este ano é a introdução da categoria juvena equipe do BOTAFOGO, que até o ano passado mantinha as categorias infantil A e B, mirim e infanto-juvenil.
A equipe de atletismo vai disputar vários torneios durante o ano, entre campeonatos estaduais e intercolegiais, todos somando pontos para o Campeonato Brasileiro de Atletismo. No ano passado, o BOTAFOGO foi o quinto colocado na classificação geral do campeonato e as perspectivas para 95 são de uma performance melhor ainda.

Fonte: Revista Oficial do Botafogo no 247 de  1995
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

ATLETISMO MASCULINO

Botafogo FR Campeão Estadual Masculino de Atletismo de 1948

Eis a foto do time masculino de Atletismo do Botafogo, Campeão Estadual de 1948. Neste mesmo ano, o Fluminense venceu no naipe feminino.

Classificação:
1) Botafogo - 254,5 - Campeão.
2) Vasco da Gama - 224,5
3) Fluminense - 111
4) Flamengo - 12

Fonte: http://datafogo.blogspot.com
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-


O único medalhado brasileiro no arremesso de peso
Nadim Severo Marreis, atleta botafoguense, foi o único brasileiro a conquistar uma medalha no arremesso de peso masculino na história dos Jogos Pan-americanos, obtendo o Bronze logo na 1ª edição dos Jogos, em 1951, na cidade de Buenos Aires, capital da Argentina.

Eis a classificação do pódio:

1º Jim Fuchs (Estados Unidos da América), com 17,25m
2º Juan Kahnert (Argentina), com 14,27m
3º NADIM SEVERO MARREIS (Brasil/BOTAFOGO), com 14,07m

Fonte: 
Pesquisa de Rui Moura (editor do blogue Mundo Botafogo).
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

O BOTAFOGO foi o campeão de 94 na categoria infantil A feminino de atletismo e quer repetir a dose em 95. A novidade para este ano é a introdução da categoria juvenil na equipe do BOTAFOGO, que até o ano passado mantinha as categorias infantil A e B, mirim e infanto-juvenil.
A equipe de atletismo vai disputar vários torneios durante o ano, entre campeonatos estaduais e intercolegiais, todos somando pontos para o Campeonato Brasileiro de Atletismo. No ano passado, o BOTAFOGO foi o 5o colocado na classificação geral do campeonato e as perspectivas para 95 são de uma performance melhor ainda.

Fonte: Revista Oficial do Botafogo no 247 de 1995

sábado, 8 de fevereiro de 2020

VOLEIBOL FEMININO


IVONE DOS SANTOS - MULTICAMPEÃ BOTAFOGUENSE






Ivone de Araújo Santos foi atleta do Botafogo em diversas modalidades desde os finais da década de 1940 até ao final da década de 1950 e, além do esporte, também se apaixonou pelo rádio, onde fez rádio-teatro e comentava esportes.
A auto-biografia que se apresenta vai na linha de diversas biografias pesquisadas e publicadas pelo Mundo Botafogo sobre atletas de todos os tempos, tendo esta como particularidade se apresentar no formato de autobiografia.
Ivone foi atleta do Botafogo desde 1948, sagrando-se campeã de voleibol pelo Glorioso em 1948 e 1950 e campeã de basquetebol em 1950 e 1955, bem como nas modalidades de salto em extensão e 100 metros no atletismo.
Foi na redação do ‘Diário da Noite’, de cuja equipe esportiva Ivone fazia parte, que concedeu uma entrevista, em 1957, desenhando a sua biografia:
“Sou carioca do Méier. Estudei como aluna interna do Colégio Orsina da Fonseca, durante 10 anos, porque era peralta demais. Foi lá que se iniciou a minha inclinação pelo exporte, porque permitiam saídas mais freqüentes para disputar jogos.
Comecei pelo atletismo e vôlei. Oficialmente minha carreira esportiva começou no Tijuca, cuja equipe de vôlei integrei em 1947. No ano seguinte passei para o Botafogo, onde permaneço até hoje.
Sou campeã carioca e brasileira de vôlei. Campeã carioca de salto em extensão, 100 metros rasos e 4x100 metros. Comecei no basquete em 1949 e já fui duas vezes campeã carioca e brasileira. Também venci o campeonato brasileiro de lance livre individual e por equipe. Participei no 1º campeonato mundial de basquete feminino, no Chile. O Brasil foi vice-campeão.
Comecei [em rádio] na Mayrink, por intermédio de Alziro Zarur, no Teatro dos Novos. Depois fui aproveitada por Gilberto Martins e por Silva Araújo, no ‘Recruta 23’. Na época do campeonato mundial de basquete tive que deixar o rádio. Mas, atualmente, colaboro na equipe de esportes da Continental, comentando bola ao cesto. Também atuei em televisão na Tupi, em 1951 e 1952, em programas esportivos e como tele-atriz. Fui Miss Botafogo nos jogos da Primavera, quando recebi o título de atleta mais eficiente, e em 1948 fui candidata a Miss Campeonato, pelo Botafogo, e, agora, no dia 12 de agosto, recebi uma placa de prata pelos meus 10 anos de clube.”

Fonte:Pesquisa de Rui Moura (editor do blogue Mundo Botafogo).









Muito embora ao longo dos anos seus triunfos não foram na mesma proporção que a equipe masculina obteve a nível nacional e internacional, a equipe feminina sagrou-se octacampeã carioca. Projetou algumas jogadoras que representaram a Seleção Brasileira como a Eunice Rondino e Marly na década de 60 e mais recente as levantadoras: Rosita e Ana Richa, além da ponteira Denise Souza.
Em 1964 sob o comando do técnico Nininho, sagraram-se campeãs cariocas as atletas: Ana Célia, Betty, Elma, Eunice Rondino, Francesca, GéoMarlyIvany Rondino, Márcia, Marilda Gonçalves, Rita e Sônia.
A primeira participação a nível nacional ocorreu em 1973, quando disputou o Troféu Brasil de Clubes Campeões e Vice-campeões, encerrando na quarta colocação e tinha no elenco: Regina VillelaIrene CoutinhoRositaLiany MariaNadir FernandesRosemarie ElseRejane de Castro NevesAlice MariaBethLaura RenaultRuthnalda e Maria Isabel Protásio
A equipe feminina alvinegra participou pela segunda vez de uma disputa nacional em 1983, na época intitulada de Campeonato Brasileiro (Copa Marlboro), avançou a terceira fase da competição, encerrando entre as nove melhores equipes, porém não avançou as semifinais, cujo técnico era Marco Aurélio Motta, embora tal competição era na categoria adulto, o Fogão foi representado basicamente com atletas juvenis, entre elas estava a levantadora Ana Richa com apenas 16 anos, além dela jogaram: Adriana SamuelDenise Souza, Andréa, Cláudia Richa, Fátima, Simone, Magali, Liliane e Andreinha.
A terceira participação na elite nacional foi na jornada 1991-92, desta vez intitulada como Liga Nacional, qualificando-se mediante seletiva, cujo técnico era Cláudio Lopes e entre suas atletas estavam: Jacqueline TorelliEllen MirandaDenise SouzaRoseli Ana TimmPatrícia Marques e Regina Villela e para disputa nacional mencionada a equipe foi reforçada com: IdaRicarda LimaBernardete GonçalvesIngrid de OliveiraFefê e Cristina, mas saiu do grupo Jacqueline Torelli e quem assumiu como técnico foi Jorge Bittencourt
Em 1995 equipe feminina do Glorioso, com o técnico Marcelo Bencardino Diniz e o retorno da Ana Richa, contando com as atletas: Claudinha,Márcia Cristancho, Joselene, Renata Pedreira, Juliana Lima, Daniela Santos, Ana Paula Platz, Karla Ribeiro,Carol Bozikis, Vanessa Valansi,Mayra Pedro , Marina, Eloísa Schlickmann, Roberta Jardim e Sabrina, além do reforço da Central Janina Conceição, da atacante Raquel Pelucci, conseguiram qualificação na Seletiva em Belo Horizonte a única vaga do Rio de Janeiro para a disputar a competição nacional com nome de Superliga Brasileira A, encerrando na nona colocação na temporada 1995-96 , utilizando a alcunha de Botafogo/Cell Center 
Fonte: Wikipédia
O Botafogo sempre foi um clube referência nacional e internacionalmente no vôlei. São mais de 80 campeonatos estaduais nas diversas categorias, quatro nacionais e três sul- americanos. O clube vem em profundo processo de reestruturação do voleibol, investindo e uniformizando a formação de novos jogadores. São mais de 150 atletas das equipes masculina e feminina nas categorias mirim, infantil, infanto, juvenil e adulta. Além do vôlei de quadra, o clube também apoia e investe no vôlei de praia.
Atletas de destaque em todos os tempos:  Ana Richa / Adriana Samuel / Ida / Waleskinha

Títulos recentes


- Campeão Estadual Pré-Mirim Feminino 2011;

- Campeão do 1º turno do Estadual Mirim Feminino 2011;

- Campeão da Copa Barra Mansa Pré-Mirim Feminino 2011;

- Campeão Brasileiro de Clubes (Taça Paraná) Mirim 

Feminino 2011;

- Campeão da 1ª Etapa de Vôlei de Praia Sub-17 Feminino 

do Campeonato Estadual (Alanis Regalado / Thaís Belota);

- Campeão da 2ª Etapa de Vôlei de Praia Sub-17 Feminino 

do Campeonato Estadual (Alanis Regalado / Thaís Belota);

- Campeão Estadual de Vôlei de Praia Sub-17 Feminino 

(Alanis Regalado / Thaís Belota) 2012;

- Campeão da Etapa de Vôlei de Praia do Circuito Banco do

 Brasil Regional em São José / SC (Renata Trevisan / Elize 

Maia) 2012;

- Campeão da Etapa de Vôlei de Praia do Circuito Banco do

 Brasil Regional em Porto Alegre / RS (Renata Trevisan / 

Elize Maia) 2012;

- Campeão do 2º Turno do Estadual Infanto-Juvenil 

Feminino 2013;

- Taça Rio de Voleibol Feminino 2015

- Campeão Estadual 2015 - Adulto Feminino

- Vice Campeão Taça Paraná 2016 - Juvenil Feminino

- Campeão Copa Cidade Maravilhosa Infanto Feminino

- Campeão do Torneio Início Infantil 2018

- Campeão da Copa Record Juvenil 2018

- Campeão da Copa Cidade Maravilhosa Juvenil 2018

- Campeão da Copa Cidade Maravilhosa Infanto 2018

- Vice-campeão do Brasileiro Interclubes Infantil 2018

- Vice-campeão do Brasileiro Interclubes Juvenil 2018

- Campeão Estadual Juvenil 2018

- Vice-campeão Estadual Adulto 2018

- Superliga B Adulto 2019

Todas as conquistas


8 Estadual – Adulto Feminino 1939 / 40 / 46 / 47 / 48 / 50 / 

64 / 95

3 Estadual – Juvenil Feminino 1962 / 71 / 83

8 Estadual – Infanto-Juvenil Feminino 1972 / 73 / 82 / 83 / 

88 / 89 / 94

11 Estadual – Infantil Feminino 1967 / 68 / 71 / 72 / 74 / 80 / 

81 / 82 /

7 Estadual – Mirim Feminino 1971 / 72 / 78 / 87 / 93 / 94 / 

97 / 2001

1 Estadual – Pré-Mirim Feminino 2011

1 Brasileiro – Mirim Feminino 2011 80 / 2002 / 07 / 09 / 11 

88 / 89 / 90

1 Open da Baixada – Infantil Feminino 2009

1 Open da Baixada – Mirim Feminino 2009

1 Copa Barra Mansa – Pré-Mirim Feminino

1 1º turno Estadual – Mirim Feminino 2011

1 2º turno Estadual – Infanto-Juvenil Feminino

Fonte: Site Botafogo FR

foto: clube

Nome:    Ana Maria Richa Medeiros
Nascimento:    03/12/66
Cidade:    Rio de Janeiro-RJ-Brasil
Altura:    1,75 cm
Peso:    65 kg
Posição:    Levantadora

Clubes:     Botafogo – Rio Forte – Translitoral – Bradesco – Lufkin – Vôlei de Praia – Botafogo/Cellcenter
Títulos Principais:    Vice-Campeã Sul-Americana – Vice-Campeã dos Jogos da Amizade –  Pentacampeã de Vôlei de Praia
Seleção Brasileira:    Juvenil – Adulta
Fonte: Jornal do Voley

Ana Maria Richa Medeiros (nascida em 3 de dezembro de 1966 no

 Rio de Janeiro) foi uma jogadora de volei de quadra e de praia 

aposentada.

Na década de 1980, foi duas vezes foi integrante da equipe 

feminina de volei do Brasil, que competiu nos Jogos 

Olímpicos de Verão de 1984 (Los Angeles, Califórnia) e os 

Jogos Olímpicos de Verão de 1988 (Seul, Coréia do Sul). E 

em 2003 foi medalha de bronze no Pan de Santo Domingo

A opção pelo vôlei na vida da levantadora aconteceu bem 

cedo. Aos 11 anos, já batia bola no Botafogo. Colecionou 

títulos lá e depois no Rio Forte, Translitoral e Lufkin, clubes 

que defendeu. Em 1984, estreava pela Seleção na 

Olimpíada de Los Angeles. Quatro anos depois, com 

apenas aos 21, já era capitã do time que terminou a 

competição no sexto lugar.

- Olimpíada é mágico, diferente mesmo. Eu nunca fui de 

chorar, sou reservada, mas desabei em lágrimas nas duas 

cerimônias de abertura em que participei. Além disso, a 

experiência de estar em uma vila olímpica convivendo com 

os melhores atletas do mundo é inesquecível. Em 1988, eu 

estava jantando e quando olhei para o lado lá estava o 

Sergei Bubka (o maior atleta de salto com vara).

Paralelamente à rotina de clubes e seleções, Ana 

encontrava tempo, desde início dos anos 90, para jogar 

alguns torneios na praia. O esporte estava começando a se

 popularizar e virou profissão para a jogadora em 1997. 

Seis anos mais tarde, em 2003, jogou 22 torneios ao lado 

da então novata Larissa, que atualmente forma com 

Juliana uma das duplas mais vencedoras do mundo. untas, 

chegaram a 20 semifinais, dez finais e conquistaram cinco

 títulos.

- Foi ótima a parceria com a Larissa. Eu já tinha 37 anos e 

só deixamos de vencer o Circuito Brasileiro porque 

mudaram o critério de descartes. Além dos títulos dos 

torneios no Brasil, conquistamos o bronze nos Jogos Pan-

Americanos de Santo Domingo. Fico orgulhosa sempre qu

e a vejo vencendo ao lado da Juliana.

Há quase dois anos na nova empreitada, Ana afirma ainda 

estar 'aprendendo a ser técnica'. O aprendizado, pelo jeito, 

está dando resultado. Carol e Gabby, que jogam o Circuito 

Banco do Brasil na categoria sub-21 mesmo tendo idade 

para jogar o sub-19, terminaram o primeiro torneio do ano, 

realizado em Ponta Grossa-PR, no início de maio, na 

quinta posição.

Fonte: Ídolos do Voley#4 Ana Richa


Na foto apresenta-se o quadro do Botafogo, campeão feminino de voleibol em 1939 (primeiro campeonato promovido pela então F.M.V. – Federação Metropolitana de Volleyball), que precedeu o bicampeonato de 1940.

Em 1940 o quadro feminino do Botafogo conquistava, pela segunda vez consecutiva, o título de campeão carioca adulto. A única derrota sofrida pela nossa agremiação principal ocorreu, vejam só, exatamente em uma partida contra o quadro ‘B’ do próprio clube! As nossas atletas bicampeãs foram: sra. Teda Spinola e srtas. Doli Studfield, Henriette Vinhais, Yvette Mariz, Lúcia Vinhais, Zélia Cavalcanti, Iolanda Carvalho e Maria José Saroldi.

Com relação a 1946, esta foi a campanha alvinegra: BFR x Fluminense (2x0 e 2x0), BFR x Tabajara (2x0 e 1x2), BFR x Tijuca (2x0 e 2x0) e BFR x Tabajara (desempate: 2x1, 1x2 e 2x1). Yvette Mariz, Irany Pereira da Costa e Romacild Maria Roma estiveram presentes em todas estas partidas, completando a equipe base Elsa, Raquel e Margarida (segundo Alceu Mendes de Oliveira Castro).
Comandadas pelo eficiente técnico Zoulo Rabelo, as moças do ‘Glorioso’ sagraram-se em 1947 bicampeãs cariocas (elenco bicampeão na foto acima), com esta campanha invicta: BFR x Flamengo (2x0 e 2x0), BFR x Fluminense (2x0 e 2x0), BFR x Tijuca (2x0 e W.O.) e BFR x Tabajara (2x1 e 2x0). Participaram do certame, sendo bicampeãs as sete primeiras: Romacild Maria Roma e Irany Pereira da Costa (7 partidas), Yvette Mariz e Raquel Iracy Leal Ferreira (5 partidas), Otília Joaquina Machado, Maria da Penha Leal Ferreira e Zelma Alexandre Maluf (1 partida), Acyr Teillon Falcão e Pequenina de Azevedo (7 partidas), Tereza S. Mascarenhas e Tereza de Jesus Batista Avelar.
O tricampeonato em 1948 (elenco tricampeão na foto acima) deu-se com a seguinte campanha invicta: BFR x Tijuca (2x1 e 2x1), BFR x Flamengo (2x0 e 2x0) e BFR x Fluminense (2x0 e 2x1). Atuaram: Irany Pereira da Costa, Margarida Tereza Nunes Leite, Romacild Maria Roma e Yvette Mariz (6 partidas), Mana, Tereza de Jesus, Yvone e Carminha (3 partidas), Aída (2 partidas) e Osvaldira Pimentel Nogueira e Bado (1 partida). Em julho do mesmo ano tivemos cinco de nossas atletas campeãs cariocas participando do campeonato brasileiro de seleções, conquistado pelo Rio de Janeiro, então Distrito Federal, sendo Romacild, Yvette (na foto abaixo) e Irany como efetivas e Margarida e Terezinha como suplentes.
Infelizmente a revista Botafogo sofreu uma interrupção em sua circulação, visto que o exemplar de n° 92 corresponde a maio de 1950 e o de n° 93 a junho de 1952, o que nos impediu de colher os dados relativos à vitoriosa campanha de 1950. No entanto, segundo Alceu Mendes de Oliveira Castro, participaram desta conquista as seguintes atletas: Yvette, Romacild, Yvone, Nívea, Norma, Acyr, Irany, Ludy, Margarida, Osvaldira, Suzete, Dircy e Romilda. Segue adiante a imagem da medalha conferida às nossas campeãs por ocasA multi-atleta Margarida Tereza Nunes Leite, a ‘Margot’, depois Margarida Tereza Nunes da Cunha Menezes, ou, simplesmente a profª. Margarida, recebeu, em 1948, a láurea de emérita do Botafogo de Futebol e Regatas e, em 1959, as de emérita da Federação de Voleibol do Rio de Janeiro e de benemérita do Glorioso Botafogo, emprestando mais tarde seu nome a uma das quadras do complexo esportivo de General Severiano (imagem abaixo).Guardião daquele título.
E em 1960, a também multi-atleta profa. Yvette Mariz, bem como Romacild Maria Roma, eméritas do BFR desde 1948, igualmente recebiam a distinção de eméritas da nossa Federação de Voleibol, tendo Romacild, em 1979, já então esposa de José Carneiro Felippe Filho, recebido a honraria de benemérita do Clube Alvinegro.

Nota: com exceção das imagens correspondentes à medalha de campeão de 1950, cujo exemplar pertence ao nosso acervo, todas as outras foram digitalizadas de diferentes edições da revista Botafogo.

Fonte: Mundo Botafogo


Equipe  de voley feminino campeã carioca de 1946/48/60
Em pé: Ivete, Margarida, Irani e Norma
Agachadas: Aida,Ivone e Romacild